Audiovisual: South Park aborda a desigualdade racial na indústria de cannabis do Colorado (EUA)

Por Paulinho Sacramento:

O programa abordou em seu último episódio o desequilíbrio racial entre os proprietários de empresas de maconha, levantando uma importante discussão sobre o papel que as políticas de legalização têm desempenhado na inclusão das comunidades mais afetadas pela guerra às drogas no mercado legal.

Parafraseando Joel Rodrigues que escreveu para a Smoke Buddies sobre o segundo episódio da 25ª temporada de South Park, que estreou em 9 de fevereiro, em que aborda a questão da desigualdade racial na indústria de cannabis do Colorado, nos EUA. “A grande redenção” começa em Denver, enquanto acontece a Cannabis Cultivators Expo 2022 (uma feira de produtores de maconha), no centro de convenções do estado.

Em uma das palestras, intitulada “The Changing Face of Hemp Farming” (a mudança de face da agricultura de cânhamo), um orador diz que as empresas de propriedade de brancos estão em risco iminente de falência, diante da crescente conscientização do público sobre a questão de equidade racial: “Nós temos uma realidade muito dura para encarar. Desde a legalização da maconha, certas comunidades de negros e pardos no Colorado, as mais afetadas pela guerra racista contra as drogas, ficaram de fora da riqueza criada por nossa indústria. Felizmente, o público está começando a notar essa injustiça. E muitas pessoas estão propondo boicotar fazendas que só tenham brancos como sócios. Estamos testemunhando um aumento saudável de consumidores exigindo uma maconha cultivada por apoiadores da luta pela igualdade social. Simplificando a questão: fornecedores de maconha que tenham apenas sócios brancos não vão conseguir sobreviver.”

Entre os ouvintes da palestra estava o personagem Randy Marsh, que é dono da empresa de maconha Fazenda Tegridade (Tegridy Farms) e fica em pânico com o que ouviu na conferência. Para proteger seus lucros, Randy faz uma reunião com sua família e pede para que seu filho Stan se aproxime de Tolkien Black — a única criança negra em South Park. O plano do empresário é coagir o pai do garoto, Steve, a se juntar à Tegridade como um coproprietário.

Randy consegue executar o plano e ter Steve Black ao seu lado como sócio. Porém, Steve rapidamente percebe que suas ideias não são valorizadas e está sendo usado para que Randy possa dizer que o negócio possui negros entre seus sócios — ele sai do negócio e lança sua própria empresa de cannabis.

A crítica à falta de equidade social na indústria de cannabis observada no último episódio de South Park levanta uma importante discussão sobre o papel que as políticas de legalização têm desempenhado no que diz respeito à inclusão das comunidades mais afetadas pela proibição na indústria regulamentada.

Embora o governador do Colorado, Jared Polis (D), tenha criado em julho do ano passado o Escritório de Negócios de Cannabis, que tem a promoção da equidade social entre seus objetivos, para alguns defensores o estado falhou nessa missão. A indústria de cannabis do Colorado permaneceu predominantemente branca por anos. O estudo demográfico de janeiro de 2022 da Colorado Marijuana Enforcement Division mostrou que 83,1% dos licenciados são brancos, enquanto 7,9% são latinos e 2,9% são negros.

No início do mês, o Escritório de Negócios de Cannabis do Colorado lançou um programa educacional que pretende, entre outros, ajudar os empreendedores de cannabis a desenvolver planos de negócios, descobrir oportunidades e estratégias de mercado e desenvolver propostas e materiais de marketing. O programa é um pré-requisito para as empresas de cannabis de equidade social se tornarem elegíveis para os subsídios governamentais.

Para os defensores, as qualificações para o programa de equidade social do Colorado são muito vagas, pois uma pessoa só precisa provar que ela ou suas famílias foram presas por certas acusações de drogas, ganham menos de 50% da renda média estadual ou vêm de uma comunidade designada como uma zona de baixa oportunidade econômica por funcionários do estado. O governo do Colorado, entretanto, parece estar se esforçando para reparar os danos sociais causados pela guerra às drogas.

No último dia de 2021, Jared Polis anunciou a concessão de 1.351 indultos para condenações por porte de duas onças (56 gramas) ou menos de maconha. A medida foi reflexo de uma nova lei que aumentou o limite legal de posse de cannabis para adultos no estado assinada em maio.

Outras 2.732 pessoas condenadas pelo porte de uma onça (28 g) ou menos de maconha no Colorado foram perdoadas em outubro de 2020. “É ridículo como o ato de ser fichado por fumar um baseado nos anos 1970 acompanhou alguns coloradanos ao longo de suas vidas e atrapalhou seu sucesso”, disse Polis na época em entrevista.

De 1º de abril a 20 de abril do ano passado, as autoridades do estado leiloaram placas de carro com o tema da cannabis para ajudar na angariação de recursos para um fundo de pessoas com deficiência. Um evento que ocorreu logo após o governador ter assinado a lei que criou o fundo de equidade social para a indústria da maconha — que recebeu uma infusão inicial de US$ 4 milhões do fundo de impostos sobre a cannabis do estado.

*Paulinho Sacramento é Cineasta, Artista residente do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Gestor Cultural e Diretor do Rio Mapping Festival e da Casa de Cultura Saravá Bien.

#CulturaGeraEemprego

Fonte: https://www.smokebuddies.com.br/south-park-aborda-desigualdade-racial-na-industria-de-cannabis/

Foto em destaque: Captura de tela do episódio que mostra os personagens Randy Marsh e Steve Black.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s