O mito é o nada que é tudo…

Por Francis Ivanovich:

O genial poeta português Fernando Pessoa escreveu um poema chamado Ulisses, diz ele:

ULISSES

O mito é o nada que é tudo.

O mesmo sol que abre os céus

É um mito brilhante e mudo —

O corpo morto de Deus,

Vivo e desnudo.

Este, que aqui aportou,

Foi por não ser existindo.

Sem existir nos bastou.

Por não ter vindo foi vindo

E nos criou.

Assim a lenda se escorre

A entrar na realidade,

E a fecundá-la decorre.

Em baixo, a vida, metade

De nada, morre.

Quando conheci este poema com sua frase O MITO É O NADA QUE É TUDO, e isto devo à minha eterna Professora Marina Tosta Paranhos, na juventude, foi um soco no estômago.

O poema trazia à luz muitas das minhas angústias sobre como utilizamos o mito para dar sentido à vida neste mundo. Você pode não perceber, mas sua vida é afetada pelo mito real.

Não vou aqui analisar este complexo poema pessoano, nem tenho competência para isso, no entanto, vale a informação de que o poema em questão abrange também a história portuguesa, sobre a lenda de que o mito Ulisses tenha navegado o Rio Tejo, em Lisboa.

Pessoa é um poeta dificílimo, de aparente simplicidade, e como é curioso ele que tenha se popularizado tanto, também tornando-se um mito.

O que me importa neste poema, é o tema do mito. O poema nos possibilita demonstrar como o mito influencia a nossa realidade, nosso cotidiano. Isso sempre considerei estupendo. Sem o mito estaríamos perdidos, calma, explico.

Eu jamais imaginaria que a palavra mito estivesse tanto na moda. O Brasil assistiu nos últimos três anos, desde 2018, um grupo significativo de brasileiros encherem a boca com a palavra mito. Não tenho dúvidas de que esse grupo, em sua quase totalidade, desconheça o poema Ulisses de Pessoa, e muito menos sua frase: O MITO É O NADA QUE É TUDO.

O que Pessoa quer dizer com esta frase?

Que a lenda que dá vida à realidade. O mito é uma lenda, é algo irreal, e somos nós que conferimos ao mito um sentido de realidade, nossa realidade, materialidade. Isso é algo bem sofisticado que cada um de nós faz, independente do nível social ou cultural. Essa necessidade do mito é inerente ao ser humano.

O importante é o fato de que o mito é uma fantasia, como se a realidade nascesse da lenda. Muito louco, isso! Isso é muito profundo. Todos nós praticamos isso, ou seja, indo de encontro ao mito para dar sentido à nossa existência. Há uma palavra que pode definir bem esse processo: FÉ. Ter fé em algo superior a nós, ter fé em algo que pode nos salvar, nos curar, nos dar uma vida plena, tem muito a ver com a questão do mito.

Fernando Pessoa.

(Já ouço meu amigo Dema, secretário de organização do PT Carioca, dizendo: Francis você escreveu um tratado, rs)

Senti necessidade de provocar essa reflexão em nossas companheiras e companheiros. Não podemos ser ingênuos diante das palavras. Enfrentamos hoje no Brasil questões muito sérias que tocam a fundo nossas vidas, pessoal e coletiva. Enfrentamos tempos de mentiras, fabricações de mitos de araque, rasos, que parecem ser TUDO, mas na verdade são NADA: O MITO É O TUDO QUE NÃO É NADA.

Os bons poetas têm uma capacidade incrível de tocar a verdade com sua poesia. Pessoa foi um desses poetas.

Devemos ter clareza sobre o que é um mito de verdade, o mito que atravessa os tempos, que afetam a nossa realidade.

Precisamos de maturidade política, discernimento, debate, diálogo, é o que devemos praticar para a construção de uma Nação soberana e livre de falsos mitos.

O verdadeiro mito, o que é importante de fato para a nossa realidade, que nos inspira, como Ulisses, do poema de Pessoa – baseado na lenda da mitologia grega que conta a Odisseia de um herói exilado, metáfora da luta, da batalha, da esperança, persistência de se atingir um objetivo, que no caso dele, era tão somente voltar para casa – nos inspira, ensina, dá bom exemplo. Esse mito torna-se parte de cada um de nós, e das futuras gerações.

Já os mitos de barro, cuja língua é a mentira, a roupa é o disfarce, o gesto é o golpe, e o caráter é o veneno, não ficarão na história, serão tragados pelo ralo, são apenas tristes personagens que atormentaram nossos dias com lágrimas e sangue. Esses são de fato NADA.

Obrigado, Pessoa!

O Mito é o nada que é tudo!

*Francis Ivanovich é jornalista, autor, cineasta, produtor cultural e integrante do Núcleo Saravá Cultural.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s