Benedita da Silva: Chega desta barbárie contra os pobres no Rio de Janeiro

Por Benedita da Silva:

O Rio de Janeiro viveu em 24 de maio de 2022 mais um dia de horrores com a intervenção armada e violenta de forças policiais estaduais e federais contra a comunidade pobre de Vila Cruzeiro, no complexo da Penha.

Sob o argumento de combater bandidos, levaram morte, dor, pânico, fechamento de escolas e do comércio, confusão em becos e vielas. Uma situação que se tornou rotina nos últimos anos. Desta vez foram mais de 20 mortos. Poderia ter sido mais.

Quantos destes não eram criminosos? Quantos inocentes? Quantos policiais poderiam ter sido mortos pela ausência de equipamentos, de planejamento e inteligência na operação?

Se me disserem que a operação foi planejada, direi: para matar?

Se me disserem que houve inteligência, direi: para causar o pânico em milhares de famílias inocentes?

Não! O que se faz no Rio de Janeiro, como disse infelizmente o jornalista Reinaldo Azevedo, “é oferecimento de carne preta aos canibais em ano eleitoral”. É o que fez o governador Cláudio Castro (PL), com apoio policial e motivação do governo Bolsonaro (PL), propagador do ódio contra os mais pobres, que são as principais vítimas do despreparo das polícias e do armamento indiscriminado.

Que há bandidos nos morros do Rio de Janeiro, ninguém contesta. Como também há no asfalto. Mas, certamente eles não são as centenas de milhares de moradores das nossas comunidades.

Quando o STF (Supremo Tribunal Federal) acertadamente decidiu pela proibição de operações policiais violentas, como a ocorrida na Vila Cruzeiro, estava pensando nesta maioria trabalhadora, pacífica, muitas vezes vítimas ou reféns de bandidos e até mesmo de maus policiais.

Por isto, desrespeitar a decisão do STF é deixar milhares de famílias ainda mais vulneráveis ao tiroteio, à bala do fuzil trocada entre facções e a polícia. Se os bandidos estão voltando às comunidades, como argumenta a PM (Polícia Militar), não é por causa da decisão do STF, mas pela falta de planejamento, de inteligência da política de segurança pública que acredita que tudo pode ser resolvido na bala.

Cláudio Castro é cúmplice desta política, por mais que queira mostrar uma face supostamente cordial. Tal afirmação se baseia no recente estudo (íntegra-1MB) apresentado pelo Instituto Fogo Cruzado, em parceria com GENI (Grupo de Estudos dos Novos Ilegalismos da Universidade Federal Fluminense), que registrou 39 chacinas com 180 mortes em um ano de gestão do governador Cláudio Castro.

O governo de Castro ainda acumula as duas maiores chacinas em operações policiais da história do Rio de Janeiro: a 1ª, em maio de 2021, na favela do Jacarezinho, que deixou 28 mortos; e a 2ª, agora, maio de  2022, na Vila Cruzeiro com 22 mortos.

Chega desta brutalidade. Chega desta barbárie contra os pobres, os pretos e as pretas do Rio de Janeiro. Eles querem trabalho, políticas sociais, segurança pública que os proteja e não os ameace.

Às famílias das vítimas inocentes, minha solidariedade e compromisso de continuar lutando por suas vidas e pela justiça. Ao governador Cláudio Castro, meu repúdio e a exigência de que pare já com estas operações. 22 mortos! Este é o trágico saldo desta sua aventura, governador.

Artigo publicado originalmente no Poder 360

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s