Eleições 2022: Professor se torna sensação da campanha eleitoral no Quênia com uma plataforma populista que inclui a legalização da cannabis como forma de combater o desemprego.

#MaconhaGeraEmprego

George Wajackoyah preocupa os favoritos nas eleições presidenciais quenianas, que estão em uma disputa acirrada, com uma plataforma populista que inclui a legalização da cannabis como forma de combater o desemprego

O professor George Wajackoyah tornou-se uma sensação política ao concorrer à presidência do Quênia com a promessa de transformar o país em um grande exportador de maconha, veneno de cobra e testículos de hienas, relatou a BBC News. O professor de 63 anos, que tem formação em direito, provou ser o mais excêntrico dos quatro candidatos presidenciais que disputam a eleição de 9 de agosto.

As pesquisas classificaram o candidato do Roots Party (partido das raízes) em terceiro lugar — a mais recente, divulgada em 11 de julho, lhe dá apenas 4% dos votos —, mas especialistas dizem que para um concorrente pela primeira vez ele está indo bem e os dois favoritos estão preocupados em perder um único voto para ele, pois a pesquisa prevê uma disputa acirrada, colocando o líder da oposição Raila Odinga em 43% e o vice-presidente William Ruto em 39% — se um dos dois não obtiver 50% dos votos nacionais, a eleição será forçada a um segundo turno.

“Se Wajackoyah fizer uma campanha forte e conseguir 500.000 votos, ele pode impedir que o Dr. Ruto ou o Sr. Odinga vençam no primeiro turno. Ele faz promessas incríveis que atraem a juventude e as pessoas de castas”, disse o senador queniano Aaron Cheruiyot ao jornal Taifa Leo.

Na campanha eleitoral, o professor Wajackoyah costuma usar agasalho, camiseta e lenço na cabeça em vez de um terno elegante — para mostrar que não faz parte do establishment queniano, que ele acusa de corrupção desenfreada.

Ele também costuma gesticular com os dedos como se estivesse fumando maconha e leva a multidão ao frenesi enquanto dança músicas de reggae.

“Wajackoyah está concorrendo em uma plataforma ultrajante que normalmente seria ridicularizada na cidade, mas não há dúvida de que ele capturou a imaginação de jovens raivosos e descontentes no Quênia urbano e rural, atravessando todos os grupos étnicos, regionais e partidários regulares”, escreveu Macharia Gaitho, um dos principais colunistas do jornal Daily Nation do Quênia.

O professor Wajackoyah diz que, se vencer, aprovará leis para regular o cultivo e a produção de maconha para uso industrial e medicinal, para ajudar a resolver dois dos maiores problemas do Quênia: desemprego e uma dívida nacional crescente.

Em um documento intitulado “Freedom Manifesto: Ten steps to Freedom” (Manifesto da Liberdade: Dez passos para a liberdade), ele afirma que a legalização da cannabis poderia render ao Quênia mais de nove trilhões de xelins (R$ 410 bilhões) anualmente, e o governo “nunca teria que pedir emprestado uma única moeda” novamente. “Os países ocidentais legalizaram o bhang [maconha]; por que o Quênia não faria?”, defende em seu manifesto.

A legalização da maconha para uso industrial e medicinal é a promessa central da campanha de Wajackoyah, que empolgou muitos jovens, gravemente afetados pelo desemprego.

Wajackoyah tem insistido que sua intenção não é que a cannabis seja consumida pelos quenianos como droga de uso adulto, mas que seja exportada para uso na fabricação de medicamentos.

Se a proposta do professor Wajackoyah for implementada, o Quênia se juntará a outros países africanos que buscam explorar o mercado global de maconha, que, segundo algumas estimativas, deve valer cerca de US$ 70 bilhões (R$ 380 bi) até 2028.

O professor Wajackoyah diz que nunca fumou maconha, mas seria a primeira pessoa a fazê-lo em comemoração se o Quênia a legalizasse. “Não há nada de errado em fumar quando é legalizado e os órgãos reguladores aprovaram para que seja fumado”, diz ele.

Wajackoyah e sua companheira de chapa Justina Wambui Wamae foram severamente criticados por líderes religiosos da Igreja Católica do Quênia. “Queremos que os eleitores rejeitem os políticos que planejam destruir a vida de nossos jovens através da legalização da cannabis. A maconha, como outras drogas, é um veneno nos planos de desenvolvimento do país”, disse o arcebispo Antony Muheria.

O professor Wajackoyah vê a criação de cobras como outro grande pilar da economia do Quênia.

Ele diz que o veneno de cobra será extraído para produzir antídoto para uso medicinal, enquanto a carne de cobra será exportada para países como a China, onde é considerada uma iguaria. “Podemos ter um bilhão de dólares todos os anos para sustentar a economia”, diz Wajackoyah, sem divulgar nenhuma evidência para apoiar o número.

Ele também diz que o Quênia deveria exportar testículos de hienas, que são usados para fins medicinais na China, dizendo que poderia render mais do que a maconha.

Grupos de vida selvagem e a União de Médicos Veterinários do Quênia reagiram com indignação. “O comércio de testículos de hienas e cobras é proibido e uma ameaça à existência das espécies selvagens”, diz a união de veterinários em um comunicado.

Apesar de ele ter sido condenado pelo que os críticos chamam de campanha populista, os apoiadores do professor Wajackoyah o admiram por superar enormes dificuldades na vida para concorrer à presidência.

Ele cresceu no oeste rural do Quênia e, depois que seus pais se separaram, acabou morando nas ruas da capital, Nairóbi.

Prof. Wajackoyah foi resgatado por adoradores do templo Hare Krishna, onde viveu e se tornou um sacerdote. Ele foi patrocinado para completar sua educação secundária e mais tarde se juntou à polícia do Quênia, subindo em suas fileiras para ingressar na unidade de inteligência.

mbora tenha sido vago nos detalhes, o professor Wajackoyah diz que teve problemas depois de obter informações confidenciais sobre um dos assassinatos mais importantes no Quênia, o do ministro das Relações Exteriores Robert Ouko em 1990.

O professor Wajackoyah diz que foi preso e torturado e, após ser libertado, fugiu do Quênia com a ajuda da embaixada dos EUA em Nairóbi.

Depois de fugir do Quênia, o professor Wajackoyah foi para o Reino Unido, onde fez trabalhos braçais e buscou educação na Universidade Soas de Londres, Universidade de Warwick e Universidade de Wolverhampton.

Enquanto estudava em Wolverhampton, ele também trabalhou como segurança, coveiro e lavador de cadáveres para ganhar a vida.

Ele esteve envolvido em campanhas políticas no Reino Unido para pressionar por mudanças em diferentes partes do mundo — e trabalhou em estreita colaboração com o ex-presidente de Gana, Jerry Rawlings, que assumiu o poder em um golpe em 1981 e governou até 2000.

Mais tarde, o professor Wajackoyah se mudou para os EUA, onde conheceu sua esposa afro-americana. Segundo informações, o casal tem três filhos.

Ele também estudou em várias instituições dos EUA, incluindo a obtenção de um PhD na Universidade Walden on-line.

O icônico presidenciável queniano afirma ter um total de 17 diplomas, principalmente em migração e direito internacional e de refugiados.

Wajackoyah retornou ao Quênia em 2010, declarando que queria concorrer à presidência. E agora se tornou o que um dos principais jornais do Quênia, The Standard, chamou de “sensação na campanha”.

Em outras promessas controversas de campanha, o professor Wajackoyah diz que melhorará o equilíbrio entre vida profissional e pessoal introduzindo uma semana de quatro dias, dando aos muçulmanos tempo livre para o culto às sextas-feiras, aos adventistas no sábado e outros cristãos no domingo.

http://www.smokebuddies.com.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s